Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Casa d'avó Madalena

Casa de uma matrafona que mora na Aldêa, passa o dia assentada no pial a dizer patochadas

Casa de uma matrafona que mora na Aldêa, passa o dia assentada no pial a dizer patochadas

Casa d'avó Madalena

30
Jun15

Quase de volta


Avó Madalena

As aulas terminaram, faltam entregar 4 trabalhos e depois e recuperar as noites mal dormidas e dão uma banho de limpeza na casa.

Chegou o verão e ainda não fiz as limpezas da estação, nem troquei as roupas, tapetes e cortinados.

Untitled-1.jpg

 

Tem sido uma correria, mas tem corrido bem, até agora fiz todas as cadeiras!!!!

Mais 2 semanas e tento voltar à rotina pré aulas (não consigo fazer rotinas nem novas nem velhas nos últimos meses, fui muito desorganizada, procrastinei, enfim...), às caminhadas, às leituras. 

 

 

Follow my blog with Bloglovin Top blogs de receitas
04
Jun15

...


Avó Madalena

Tomar decisões é um processo difícil ainda mais quando envolve outras pessoas.. queremos colocar um ponto final e retomar o caminho

f7d9ff258e86b2bf8a71ed684e5141fc1.jpg

 

de outra forma, sozinhos.  Optar por 2 caminhos é penoso mas mais penoso ainda é decidires um e depois, mesmo sabendo que é aquele tens medo de seguir em frente, de o defenderes e percorreres.

Não posso mentir mais, confesso que muitas vezes que tinha pensado que um dia este dia chegaria, mas acho que sempre fui adiando e fingindo que não não haveria necessidade de mudança.

Hoje sinto que sei que o caminho é outro, mas não sei como o percorrer sozinha, não sei o que irei encontrar do outro lado, se conseguirei fazer  o percurso sem me arrepender... sinto apenas que este já não é o caminho para mim, esta vida já não é a minha, estas pegadas que deixo na areia não são deste corpo, mas resultado de uma história que fui deixando que escrevessem por mim.

Esta é uma luta difícil, entre mim e eu, entre  que está correcto e o que me fará feliz. Sinto que está na altura de me sentar e começar  a retirar estes fios do emaranhamento em que estão, fio a fio, um a um calmamente, sem tropeções, sem incertezas.

Sinto que sei o que quero e sei o que não quero, mas sinto também o medo e a dor ... se salto para a outra rua como faço depois? Como funciona? Como vai ser? 

Ainda que esteja numa situação desagradável, acabei por me habituar e é assim que sei viver... suponho que seja um pouco o Síndrome de Estocolmo... ficas refém de ti mesma, do teu sofrimento. Estás acomodada na tua caverna e vez no fundo a luz que entra mas tens medo de a seguir, de lhe tocar.

Follow my blog with Bloglovin Top blogs de receitas

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D