Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Casa d'avó Madalena

Casa de uma matrafona que mora na Aldêa, passa o dia assentada no pial a dizer patochadas

Casa de uma matrafona que mora na Aldêa, passa o dia assentada no pial a dizer patochadas

Casa d'avó Madalena

12
Nov13

Depois da tempestade...


Avó Madalena

Depois de um surto psicótico que resultou em várias idas ao hospital, 32 dias de baixa e várias medicações de rebentar estomago e cerebro, eis-me aqui, a subir nas canelas e a agarrar a minha vida.

Esta fase difícil que atravesso é o culminar de 8 anos de sofrimento, solidão e silêncio, o explodir de sentimentos amargos, raivosos, conflituosos. Perdi-me, quase enlouqueci mas a ajuda chegou (espero eu) a tempo.

Já retomei algumas rotinas, a medicação está a fazer o efeito desejado, mudei de visual, aproximei-me de pessoas boas (as menos boas foram embora sem convite). Perdi contactos que me eram importantes, mas no final talvez eu que lhes desse uma importancia que não tinham, as boas vizinhas ficaram ainda melhores e outras surpreenderam-me pela positiva. Vizinhas desse lado que nada sabem de mim mas que têm o cuidado de perguntar como estou e a animar-me, vizinhas que sem saber me deram e disseram muito - a elas a minha imensa gratidão.

Á minha família um pedido de desculpa pelo sofrimento que lhes causei (e causo), por ter posto em causa o seu amor e o meu papel nas suas vidas, desculpa pelas feridas que tiveram de tratar, pelas horas no hospital ou ao telemóvel a ouvir me chorar sem nada poderem fazer.... sofro e faço sofrer, sofro por não conseguir e faço sofrer por causar impotência. As minhas desculpas, de coração...

Nunca quis magoar ninguém, simplesmente não encontrei forma de libertar esta dor, esta solidão....  sorri quando quis chorar, calei quando queria gritar, fugi quando queria viver....do lado de fora deste corpo sei que dificilmente compreendem o que vai na minha mente, a vontade que dá de simplesmente desistir, virar costas a tudo... depois vem a lucidez que te diz que como mãe, filha, irmã... és egoísta, só conheces o teu umbigo e não reconheces a sorte que tens. Não valorizas o teu filho, os teus pais, a tua casa o teu emprego.... mas esse reconhecimento não me faz mais feliz, muito pelo contrário, faz me sentir uma idiota sentimentalmente cega....e ficas assim, nesta bola de neve. 

Hoje é um novo dia. Ontem já passou e só posso aprender com ele, amanha, amanha logo veremos.

 

Follow my blog with Bloglovin Top blogs de receitas

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D