Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Casa d'avó Madalena

Casa de uma matrafona que mora na Aldêa, passa o dia assentada no pial a dizer patochadas

Casa de uma matrafona que mora na Aldêa, passa o dia assentada no pial a dizer patochadas

Casa d'avó Madalena

08
Ago17

Viver com menos


Avó Madalena

Durante alguns anos convenci-me que era uma árvore, de raízes grandes a agarrar com todas as minhas forças a terra. Cheia de medo de sair do lugar, de perder o meu chão.

Quando percebi que não era uma árvore, decidi ser uma ave e lentamente comecei a voar... voltei a estudar, depois divorciei-me e agora vou mudar de trabalho. Sim, tomei a grande decisão... 

Vou trabalhar em algo que sempre quis, na minha área de formação e paixão.. infelizmente esse trabalho será

transferir.jpgtemporário, em part time e a recibos verdes, pelo que a minha vida vai, novamente, voltar a dar uma cambalhota. 

Tenho analisado as minhas despesas para tentar perceber onde posso cortar (as despesas da prestação da casa, água, luz e internet são fixas, e por ai a minha margem é bastante reduzida). Resta a alimentação, supermercado, vestuário (que já estava bastante reduzido)... vou ter de aprender a viver com menos.. mas não vou desistir

Estou com algum receio do que aí vem, receio de ter tomado um passo errado e de não conseguir cumprir com os meus compromissos financeiros. Mas sei que estava em falta comigo mesma, agarrada a um trabalho onde sou explorada, humilhada e onde o vencimento chega em micro porções).

A minha cabeça sabe que não tenho grande margem de manobra para as despesas actuais, sabe que se aparecer uma despesa extra o meu orçamento derrapa violentamente... resta me ter fé, resta-me aproveitar todas as moedinhas extras que possam aparecer durante o verão (sim, já tenho outro part time, ganho uma ninharia, mas ninharia é melhor que nada).

Resta-me trabalhar o máximo possível durante o verão, porque o inverno vai se "rigoroso". Vamos ter fé. Vamos acreditar e acima de tudo vamos recordar sempre que não somos árvores plantadas e agarradas ao solo, dobrando ao sabor do vento, sofrendo com as tempestades.

Somos aves, podemos voar.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D