Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Casa d'avó Madalena

Casa de uma matrafona que mora na Aldêa, passa o dia assentada no pial a dizer patochadas

Casa d'avó Madalena

Casa de uma matrafona que mora na Aldêa, passa o dia assentada no pial a dizer patochadas

Grey Day

Avó Madalena, 07.10.14

 Sinto cinza, como o tempo.... ontem tive uma proposta de "trabalho" para o final da tarde, saí a correr, não dei com o sitio, não consegui telefonar nem verificar a morada porque os telemóveis não estavam na minha mala.... tanta treta de "ai e tal sou organizada, e funciono é com listas" e na hora H, nem organização, nem lista.... perdi tempo, gastei gasóleo e ganhei uma pilha de nervos....

Hoje a coisa até que começa melhor, mas ouço assim um zumbido que me deixa de orelha no ar e a pensar "Já foste....".

Sinto-me cinza como o dia... mas se lá fora não chove também não vou ser eu que vou chorar.... deixa cá ver as coisas positivas de hoje e tentar ver um bocadinho do arco íris...

Arco íris moment: levantei-me às 7h30m, foi para a cama do M cochichar até às 7h45m (agora temos este hábito, o que se levanta primeiro vai conversar para a cama do outro, como se durante a noite tivéssemos muitas novidades)... mas confesso que adoro aquele abraço matinal, aqueles minutos só nossos. 

Sinto que a nossa relação começa a criar novas raízes, mais profundas e duradouras e sinto verdadeiramente que o tempo que perdemos pode ser (não digo recuperado) melhorado e minimizada a sensação de solidão e abandono. 

O facto de a depressão estar controlada também ajuda porque já não tenho tantas crises e consigo conciliar melhor as minhas rotinas que tanta segurança e tempo livre me dão.